domingo, 28 de outubro de 2012

As tranças de Elizabeth Bennet

     Quem me conhece sabe que não sou muito a modismos, não que eu não goste de seguir algumas tendencias, mas nunca fui muito de me vestir como uma vitrina, tenho meu estilo e me encaixo na moda como me cai bem e como me convém. Tranças laterais sempre fizeram parte do meu dia-a-dia, acho super charmoso e quando o cabelo está meio desobediente e a gente com pressa (coisa muuiiito comum comigo), quebra um galho! Então, assim como Elizabeth Bennet, isso já veio antes dessa tendencia. Pra quem não reparou, as belas tranças de lado estão super em alta, então... nada mais romântico do que imitar Elizabeth Bennet. 
     Tá certo que as belas heroínas usavam as tranças para não embaraçar os cabelos quando iam dormir, mas pra nós, do século XXI é puro charme! Até mesmo uma trança "desarrumadinha"  como quando Lizzie não "tinha cabeça" pra penteados está valendo (e muito).
Keira Knightly como Elizabeth Bennet -
 "Orgulho e preconceito" 2005
     Um penteado bonito até pra ocasiões especiais.
Jennifer Ehle como Elizabeth Bennet -
 "Orgulho e preconceito" 1995
     Há vários tipos de traças que ficam lindas de lado. Como meu cabelo tem mais ou menos esse comprimento, tô me achando...hohoho...
   Quem quiser outros detalhes sobre  tranças mais sofisticadas, no Youtube há diversos vídeos explicativos. 
       E viva o romantismo!!!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Qualquer semelhança...deve ter sido de propósito!

     Outro dia estive reparando na incrível semelhança entre a atriz Greer Garson e Jennifer Ehle como Elizabeth Bennet. 
   Green Garson (P&P 1940) dava pra ser avó de Jennifer Ehle (P&P 1995), mas isso não vem ao caso, não é uma comparação entre as atrizes em si, mas na escolha para ser a protagonista. 
    A conclusão que cheguei, foi que quem fez essa escolha, gostou da atriz de 1940 e escolheu alguém com traços semelhantes. Só pode ser!
  Jennifer Ehle, quando loira, também já foi comparada muitas vezes com Meryl Streep:
e aí vou mais além...Maryl Streep poderia ter sido Elizabeth Bennet em alguma versão americana dos anos 80 de "Orgulho e preconceito"! Quem assistiu "Amor à primeira vista" ("Falling in love") de 1984, sabe do que estou falando (quem não, fica a sugestão). Robert de Niro sem dúvida  seria um excelente Mr. Darcy.
    O filme é muito, muito romântico e a atuação dos dois é excelente! De Niro faz uma interpretação totalmente diferente dos "durões" de sempre , o que lhe cai muito bem.
Captura de tela de "Falling in love"
   Formaram um belo casal.  Alguém contesta???
     Pena ninguém ter pensado nisso...
Imagens:
fotolog.com
fanpop.com
myprideandprejudice.com
filmaster.com
imdb.com

sábado, 13 de outubro de 2012

A infância em "Orgulho e preconceito" e "Persuasão"

"Especial semana da criança"
     Enquanto Jane aprendia um bordado com a Sra. Bennet, Elizabeth tentava distrair as irmãs menores, na varanda de Longbourn...
     Jane sempre linda, meiga e comportada, tímida até para uma foto no quintal...
    Mary, depois que começou a ler e a aprender piano, se tornou uma "mocinha" culta e irrepreensível...
     Já Lizzie, crescia em seu caráter firme e confiante, sempre alegre e decidida. 
   De certo que as meninas Bennet tiveram uma infância feliz, pois não podemos negar que o Sr. e a Sra Bennet foram bons pais e deram muito amor às filhas!
   Caroline Bingley já desfrutava de riqueza e ostentação desde cedo e sem dúvida,  já sabia de sua posição na sociedade.
     Igualmente a  Mr. Darcy, que acabara de ganhar a irmãzinha Georgiana; um tanto tímido, firme e convicto de sua condição, afinal, nasceu em Pemberley!

     Anne Elliot precisava de uma amiga. Mesmo com duas irmãs, a mãe lhe fazia muita falta. Havia espaço para brincar e conforto, mas uma criança precisa muito mais do que isso.

     E você? Compara a sua infância com algum desses personagens?

Postagens complementares:


Fotos:
stitchedbyhislove.blogspot.com
evelyn1205.blogspace.be
beauty-and-the-bath.com
chiffon-bridesmaid-dresses.com
ukhairdressers.com
bambinogoodies.co.uk
celebritysuits.com

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A infância em "Razão e sensibilidade" e "A abadia de Northranger".

"Especial semana das crianças"
     As irmãs Elinor e Marianne sempre foram muito unidas (mesmo antes de Margareth chegar). Em Norland, sempre tiveram todo o conforto; belas roupas, brinquedos, espaço para brincar, amor e amizade para compartilhar.
    O garotinho Willoughby, provavelmente era bonitinho desde pequeno, mas por certo, a ambição já fazia parte de seu caráter que assim como a cultura, também é moldado na infância.
     Catherine Morland teve uma infância onde a liberdade e a imaginação eram as companheiras de todas as horas. Bonecas não lhe agradavam muito, mas as corridas e o balanço...que gostoso...

     E sua infância como foi?
Postagens complementares:
Fotos:
becomingjane.blogspot.com
fashionbride.wordpress.com
bridalpk.com
bridalvillage.ca

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

A infância em "Emma" e "Mansfield Park"

"Especial semana das crianças"
    Jane Austen também foi criança um dia. Que novidade! Poderia ser parecida com a garotinha acima ou quem sabe idêntica! É que no fundo, todas as crianças são bem parecidas na ingenuidade, imaginação, pureza, alegria (caso um adulto não corrompa essa natureza), independente da época em que viveram.
      Que tal imaginar as belas moças quando meninas? Já pensaram nisso? Aproveitando que estamos na semana das crianças, vamos resgatar a que vive dentro de nós e... brincar de imaginar...
     Emma Woodhouse foi uma menina feliz, com todo o conforto. Sempre linda, com boas roupas, bons brinquedos e muito amor!
   As irmãs Bertram também tiveram uma infância confortável, apesar de terem sido criadas com certo orgulho. 
      Na bela casa de Mansfield Park, brincadeiras como essa não devem ter faltado...
     Fanny Price desde pequena já se sentia humilhada. Sabia que vivia de favor e que não podia se comparar com as primas; tinha que ter ciência de sua condição. Por essa e por outras, Fanny era uma criança mais madura que as outras de sua idade e tinha sua alegria um tanto apagada.
     Mary Crawford desde pequena já tinha noção de sua beleza, por certo era elogiada pelos pais a todo instante o que criou nela uma grande auto-estima, assim como seu irmão Henry...
...sempre altivo e esperto, já pensando na próxima travessura.

       É interessante imaginar cada personagem...
       Como você imagina os demais quando crianças?

Postagens complementares:

Fotos:
Capturas de tela e
ukhairdresses.com
janeaustenpt.blogs.sapo.pt
thebikerguide.co.uk
newby_hall_and_gardens.com
squidoo.com
fashionbride.wordpress.com
austensmansfield.wordpress.com

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

"Shopping" em Mansfield Park? Os Crawford foram às compras...

Adaptação de "Mansfield Park" (Jane Austen) de 2007.
    Passeando pelo shopping esses dias me deparei com uma loja de roupas que eu não conhecia e juntou a tampa e a panela, quando li o nome: CRAWFORD. 
     Essa loja é especializada em moda masculina e é famosa pela impecável alfaiataria. Pronto: "Sir" Henry Crawford deve ser o dono, só pode ser... com toda aquela elegância que lhe é peculiar... ou no mínimo a loja é de algum parente próximo.
   Olha lá Mary e Henry Crawford  dando umas voltinhas no shopping,
  aproveitando as promoções na boutique da família.
     E como não poderia deixar se ser  isso só poderia ter acontecido em um shopping das redondezas! É claro! Mansfield Park Shopping! Très chic!!!
    Ei, olha ali Fanny Price saindo da "Marisa". (Eu gosto da Marisa, tá).
     Boa leitura e boas compras!

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

"Georgiana", na trilha sonora de "Orgulho e Preconceito"

      Acho formidável quando escolhem atores que realmente tocam o instrumento enquando representam e não somente fazem de conta. Aqui, "Georgiana" aparece realmente tocando a melodia que é seu tema no filme e a atriz também faz a performance.

     Uma melodia graciosa e juvenil, acredito que a mais alegre e ligeira de toda a trilha sonora;
reflete o espírito adolescente da bela Georgiana Darcy, de 16 anos.
  Mr.Darcy, todo orgulhoso dos dotes da irmã,
aprecia  ao lado do piano.
     Selecionei duas cenas em que a melodia aparece. A primeira é a que comentei acima, quando Georgiana, esperando pela visita de Elizabeth Bennet, toca ao lado do irmão:
                                    video
     Nessa outra outra, a música recebe uma pequena variação, essa mudança sutil em alguns instrumentos faz com que a melodia tome um caráter mais cômico e faz fundo à cena (igualmente cômica) em que Mr. Darcy encoraja Mr. Bingley à voltar à casa dos Bennets e fazer o pedido de casamento á Jane. Essa falta de jeito e os "ensaios" de Mr. Bingley para fazer a proposta, completam tudo:
video
     O link da partitura para piano de "Georgiana", está no site abaixo:

Boa apreciação!

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

"Liz on top of the world"-"Orgulho e Preconceito", a trilha sonora

     Quase que nem dá pra perceber "Elizabeth" no topo deste penhasco! 
   Stanage Edge (Derbyshire / Hathersage / Peak District/UK), é conhecido por ter uma vista deslumbrante. Os amantes de trilhas e escaladas podem apreciar o Dark Peak (pico das trevas) e o Hope Valley (vale da esperança) de onde "Liz" admirou a paisagem  "...on top of the world" (no topo do mundo). 
     Na versão de 1995, há uma cena em que Lizzy também aparece no local, pois  não foi possível seguirem viagem até a região dos Lagos como desejava a Sra. Gardner:

...and to Mrs. Gardiner it had a peculiarly strong attraction. The town where she had formerly passed some years of her life, and where they were now to spend a few days, was probably as great an object of her curiosity, as all the celebrated beauties of Matlock, Chatsworth, Dovedale, or the Peak. (Pride and Prejudice - cap. 42)
    A melodia um tanto sincopada (parece estar desencontrada) dá nos uma sensação de incerteza e instabilidade,  exatamente como se sentia Lizzy naquela ocasião. 
     Mesmo antes de se deparar com  Pemberley, os  sentimentos de Elizabeth já haviam mudado em relação a Mr. Darcy e dali do alto é como se percebesse até onde poderia ter chegado (em  felicidade) se não tivesse colocado tudo a perder, se desfazendo dele e recusando sua proposta de casamento.
video
     A partitura para piano de "Liz on top of the world" está no link abaixo:
http://www.sendspace.com/file/fr2w0x 
     Boa apreciação!